Você dá o tom da paz para minha dor.

quarta-feira, 22 de julho de 2009



Por Leandro Neres e Camila Costa.


Acordo as sete da manhã,
vinho tinto sem sabor,
riso falso disfarçando a ilusão
e os sons vêm, pra me embalar a alma, o dia.

Alguém já pensou o que seria
o mundo sem os sons?
Os da manhã, especialmente,
aumentam a minha força pra viver,
pra levantar, também.

A brisa fria passa levemente pela janela,
algum pássaro canta por aí, as folhas balançam...
Sinto um despertar que não vem das horas marcadas
levanto-me e vou ao encontro daquilo que fugi.

O som do aconchego abraça minha dor
ela é acolhida e o acalento vem de braços e mãos
que sinto em meu coração, parte a dor, fico só
Somente meu silêncio e imagens que insistem em despertar.

Imagem de Olhares.

20 comentários:

Camila Costa disse...

E tranformaste as minhas palavras num poema lindo! :o

Acho que estou sem palavras...

Obrigada.

beijos =*

Letícia disse...

E você e a Camila escreveram juntos? Gosto de escrever com alguém - mesmo que eu pense em esquimós e a outra pessoa pense em jangadas. Porque aí as coisas se unem e fazem sentido. O que me prende sempre - ou a maior parte das vezes, é o título porque passo horas procurando títulos. O título é o que traduz, algumas vezes, o que o poema vem a dizer. E algo fora encontrado mesmo sentindo dor. O tom da paz - que seja na amizade ou num passeio no meio da semana. Só porque é dor, não precisa ser guerra também. Quanto ao poema, há dias de vinho sem sabor e pessoas infelizes e isso dá o tom de nossa caminhada. Que seria dos dias felizes senão fossem esses outros dias sem "nada"?

Vidal disse...

É uma música sobre os sons da manhä. Som de um novo dia, com direito a pássaros e folhas. É o som/tom da paz que vem e abraça a dor. É a transformaçao da dor em poesia. Perdi a oportunidade de estar entre os criadores dela rs. Mas meu Deus o que eu poderia acrescentar? Estava pronta, e chega um ponto em que os acréscimos começam a des-acrenscentar.

Lorena disse...

Nossa, que lindo... Vocês escreveram juntos?? Ou a idéia veio de um, os versos do outro e o retoque final foi dado pelos dois??

Enfim, linda demais... Nem sei. E White Flag... Nossa. Acho que vou esperar ela acabar antes de postar. =)

(minha irmã tá cantando junto)

Camila Costa disse...

Lorena, sem querer me meter já me metendo(rs), a idéia foi do Leandro, mas escrevemos ao mesmo tempo, praticamente um ping-pong... :D
brilhante idéia, e dom dele, que tranformou as minhas palavras tão despretenciosas nessa maravilha de poema!

Aiiii, isso é dom gente!
E que além do pão, que a poesia também nunca nos falte! Amém.

o/

Camila disse...

Só o título já é poesia. Ele sozinho, já seria um post todo. E eu me sinto toda orgulhosa por estar convivendo entre escritores e pensadores, e por fazer parte do conotivismo.

Eu não saberia viver sem sons. Minha trilha sonora fala demais sobre mim. Até pedidos de socorro podem ter melodias.

Parabéns aos autores! Lindo poema!

Beijos!

Luciana disse...

Que bonito, Leandro!
Também adorei seu blog e vi que temos algo em comum: somos da área da educação! Isso é legal!

Grande abraço!

disse...

Poema lindo, principalmente com dois cerebros pensantes igual ao de vocês e dois corações agraciados dos dons do Senhor!
Belo demais!
Beijos Rô!

leioomundoassim disse...

Leandro, vim avisar que já coloquei seu blog na lista de participantes de Coisas do Brasil 2. Obrigada por participar. Andréa Motta

Anônimo disse...

Caramba!!! Tem dias que tudo o que nos bastam são os sons silenciosos da natureza... e lá vamos nós vivendo nossa solidão de cada dia.

Edi

maria r. britto disse...

Daria uma música linda esse poema =)
Já até começei a imaginar ritmos xD


Beijos

Germano Xavier disse...

Um poema a dois.
Labor difícil.
Mensagem transmitida.
Pronto, a poesia está viva.

Abraço forte, Leandro.
Continuemos...

Éverton Azevedo disse...

Que onda, eu vim reclamar que nao me deram o link desse blog, ´daí encontro um comentário meu aí. Que onda. E sou até seguidor.

E lembro dos poemas e tal. Acho que passei muito tempo só entrando no outro onde tem o "Ensaio".

Massa.

Luiz Coelho disse...

Poema de Camila e Neres não tem nem o que comentar. Fantástico!

Daniela Rocha disse...

Tava demorando heim nego... essas alusões matinais sempre me comovem. Traduziram lindamente nossa curiosa vivência, nossas tristezas e falsas alegrias.

Mylle Li disse...

Nunca tinha parado para pensar nisso...
Mas o som da manhã é muito lindo mesmo, é um som carregado de despertar, de luz, de algo diferente...

Abraços!

Zélia disse...

Jesus! Acho que cheguei atrasada por aqui. Ou não! Toda Poesia é atemporal. Gostei muito do que foi escrito por vcs. Inclusive, o título já dá um saculejo no corpo todo. Nos preparando para o que vem depois. Bom ter alguém para nos dar um tom de paz em nossas dores.

Parabéns pelo trabalho!
Bjos!

Fernanda Macedo disse...

bommmmmmmm........... =)

Mylle Li disse...

Muito lindo!
Parabéns!

Lion of Zion disse...

òtimo ainda mais por ser um poema a quatro mãos.

Abraço!